Brasília – Prólogo

maio 19, 2008 at 3:24 pm 6 comentários

Pude, com muita alegria, neste último final de semana, atender ao convite da minha amiga Kaká e de seu maridex Felipe – baianos de nascimento, há poucos anos residindo na capital federal. Tudo começou há alguns meses, na Internet, onde eu vinha pesquisando algo como a “passagem perfeita” (de preferência gratuita). O objetivo foi parcialmente atingido, com um trecho a 5,00 Reais e o outro a 200,00. Comprei uma para mim e outra para (ca)Bêça – ambas na Gol (o Grande Ônibus Lotado), que ofereceu boas promoções e serviços, diga-se de passagem, com o perdão do trocadilho.

Tudo pronto, partiríamos na sexta, dia 16 de maio, quando pegaríamos o vôo das 19h20min. Tudo certinho: bagangens arrumadas, mulher penteada, e carona arranjada: meu pai Gerson (“Geuso” para os íntimos) e minha mãe Fernanda nos levariam ao ALÉM (Aeroporto Luíz Eduardo Magalhães). As coisas pareciam tranquilas – eu havia almoçado com meus camaradas do trabalho (Mateus, Cleyton, Amélia, Waldélio e Nilson), matei o serviço à tarde e fui me arrumar sem pressa, para não ter estresse.

Mas a vida é dura e cruel nesta cidade… Nada é simples na Salvador dos infernos, cujas autoridades avalizam qualquer tipo de absurdo que o poder econômico possa comprar. Não obstante o desmatamento criminoso na minha vizinhança – o ex Horto Florestal, agora Horto Predial – há caminhões espalhados por todas as vias urbanas, obras sem canteiro e em área de preservação, total falta de educação da população e desrespeito às normas da boa convivência. Sorte que não fomos assaltados nem assassinados, mas fomos obrigados a enfrentar um engarrafamento de uma hora e meia da minha casa até o ALÉM.

No limite do horário, portanto, nos aproximamos do aeroporto. Antes que pensássemos em suspirar de alívio, porém, eis que me aparece um ônibus conduzido por um verme doentio, que só não nos atropelou com carro e tudo porque a Bêça soôu o alarme, fazendo com que Geuso desse uma forte guinada à direita, evitando o acidente. Ainda tentei pegar um CD para jogar no ônibus – como fizera antes com outro sacana que abusou da minha bondade – mas abortei a tentativa, uma vez que eu só estava portando meu CD original do André Matos e outro clássico do Roxette, que jamais jogaria fora.

Apesar de tudo, nosso santo era forte. Entramos no aeroporto, corremos ao guichê da Gol, que já se encontrava vazio, despachamos as bagagens e embarcamos. Não deu tempo nem de se despedir do meu pai, que estava estacionando o carro. Dentro do avião, apesar de devidamente medicado, meu nervosismo começou a atuar: “será que teríamos uma boa viagem? Já tínhamos passado pelo o pior ou ainda teríamos novidades?” A resposta, só o tempo daria. Sentei, afivelei o cinto e, como um bom ateu, rezei uma Ave Maria, um Pai Nosso e pedi a todos os meus antepassados que nos dessem uma boa viagem.

Anúncios

Entry filed under: Viagens.

Êta Índio Macho Retado! Piquet Jr.

6 Comentários Add your own

  • 1. KK  |  maio 19, 2008 às 3:42 pm

    Eu ainda estou chocada com o desmatamento do Horto. Salvador não merece isso. Onde estão as autoridades ambientais desse país?

    Responder
  • 2. Marcos  |  maio 19, 2008 às 3:49 pm

    Também não sei. Os órgãos tem fama de atrapalhar mas, no final, vai tudo abaixo. Não vai restar nada na Paralela, Horto e afins.

    Obs.Terminei a revisão ortográfica agora. Espero que você não tenha visto algum erro crasso, ehehe.

    Responder
  • 3. Danda  |  maio 19, 2008 às 4:53 pm

    Oi, Marcolino,

    É, está mesmo difícil morar em Salvador…

    Aquela noite que fomos jantar na Marina (ai, ai…) com Bia e Marcelo) foi o bastante pelos próximos 5 anos. Confirmei que lá tem as mesmas palmeiras e as mesmas pedrinhas marrons que têm no Shopping Salvador, no Aeroclube, no Cemitério da Saudade, no Shopping Barra e que, certamente, estarão, no Salvador Downtown e no projeto de Desmatta Pires. Pois é, fio, até as pedras entram na moda desse mundo da classe média mental…

    Mas, aquele engarrafamento que pegamos para leva-los ao Aeroporto DOIS DE JULHO até que foi interessante, pois tivemos tempo para pensarmos naquela pichação… Está lembrado?

    Beijos para todos,

    Danda

    Responder
  • 4. Gabeira  |  maio 20, 2008 às 3:43 pm

    Oba!!! Mais uma resenha de viagem feita por Marquêra, hehehehehe. Vai postando aí, meu velho!!

    Abração

    Responder
  • 5. Marcos  |  maio 21, 2008 às 9:58 am

    Aguardem os próximos episódios, agora menos frequentes em razão da minha mudança de Secretaria. Abração

    Responder
  • 6. Wanessa  |  maio 23, 2008 às 11:08 pm

    esse stress no transito soteropolitano tá fogo mesmo! Felizmente, eu só tenho que encarar de vez em qdo…

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Agenda

maio 2008
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Most Recent Posts


%d blogueiros gostam disto: