Boas Velharias do Axé

março 3, 2008 at 11:31 am 88 comentários

Na última semana tive que fazer uma troca com meu pai: ele ficou com meu carro e eu fiquei com o carro dele. Pois eis que saí de caminhonete, todo espaçoso botando moral nas ruas de Salvador. Aquele que ensaiasse jogar o carro na minha frente pensaria duas vezes, pois eu não iria recolher aquela enorme massa de metal e o espertinho é que sairia no prejuízo.

Foi o que fiz: e fui respeitado, obviamente. Mas essa introdução toda foi só para dizer que no CD player da caminhete havia um disco da Banda Cheiro de Amor – Minha História. Não é que o meu velho blueseiro estava ouvindo axé das antigas?!

Pois fiz o mesmo e não me arrependi. Escutei o disco todinho e viajei para uns quinze anos atrás, quando eu ainda era adolescente e ouvia, principalmente, dance e axé. Hoje ouço quase que exclusivamente rock n’ roll, mas eu tinha uma certa razão na época, pois a música baiana era de qualidade infinitamente superior às comerciais e repetitivas músicas das Ivetes e dos Browns de hoje.

Cantei muito e me diverti ao som de Márcia Freire e sua banda – dignas de elogio e do registro saudosista neste blog. A música baiana nos anos 90 era boa; e soava realmente baiana. Hoje não soa a nada – exceto às papagaiadas Ivetianas que, ainda segundo o meu velho, a cada ano que envelhece sobe um pouco mais a saia.

01 Canto ao Pescador
02 Canto Pro Mar
03 Doce Obsessão
04 Rebentão
05 Mente e Corpo
06 Auê
07 Lero-Lero
08 É o Ouro
09 Porto Seguro
10 Bênção
11 Vendaval ( El Humahuaqueño ) ( Carnavalito )
12 O Que é o Que é
13 Eu Vou / Maracangalha
14 Nossa Gente ( Avisa Lá

About these ads

Entry filed under: Música. Tags: .

Site do AeroKart ganha TV Fórmula 1 – Ação e Drama

88 Comentários Add your own

  • 1. KK  |  março 3, 2008 às 4:46 pm

    UM CLÁSSICO!

    Responder
    • 2. Isis  |  agosto 25, 2012 às 7:23 pm

      Por que voce não morrem?
      Axé é lixo, não importa a epoca.

      Responder
      • 3. Juliana  |  maio 17, 2013 às 8:06 pm

        Não é lixo nda.

  • 4. Wanessa  |  março 3, 2008 às 10:08 pm

    pô, adorava cheiro de amor! tenho até foto com ela e autografo!! hehehehehe

    bons tempos…

    Responder
  • 5. Karin  |  março 8, 2008 às 8:32 pm

    “Doce Obsessão” embalou uma fase da minha vida…hahahahahahha…recordar é viver!!!!

    Responder
  • 6. Wanessa  |  março 8, 2008 às 11:04 pm

    pô, “doce obsessão” é o bicho! Bastou vc citar e a letra surgiu das cinzas…

    E Marcia Freire é uma boa cantora.Não sei o porquê dela ter desaparecido!

    Responder
  • 7. Gabeira  |  março 9, 2008 às 8:27 pm

    Sinto muito, mas axé é, sempre foi e sempre será umas das maiores mediocridades (a Bahia é cheia delas, inclusive) inventadas pela raça humana. Dizer q o axé dos anos 80 foi melhor, pra mim, é a mesma coisa que verificar qual merda fede mais: é tudo merda, não importa qual fede mais,hehehehehe. Desde Sarah Jane e Luiz Caldas até os dias de hj q o axé permanece sendo – utilizando as palavras de Marceleza – música para adestrar macaco! E tenho dito…

    Responder
    • 8. alexandre nunes  |  fevereiro 1, 2012 às 9:30 am

      NÃO LIGUEM PARA O QUE ESSE GABEIRA DISSE, PORQUE PRECONCEITO FICOU PARA PESSOAS POBRES DE ESPIRITO, E ELE É UMA DESSAS PESSOAS. CONCORDO QUE HOJE EM DIA SÃO POUCOS ARTISTAS BAIANOS QUE SE SALVAM, MAS ANTIGAMENTE AS MUSICAS TINHAM QUALIDADE, NÃO IMPORTA SE ROCK, AXÉ, FUNK, PAGODE, ETC. xandy.n@ig.com.br

      Responder
    • 9. fernando  |  fevereiro 11, 2013 às 3:16 pm

      Q PENA Q EXISTE PESSOAS PRECONCEITUOSAS ATÉ COM OS RITIMOS SERÁ Q É PORQUE É TAMBEM UM RITIMO DO NORDESTE.SEU GABEIRA,RESPEITE OS GOSTOS DOS OUTROS.

      Responder
  • 10. Marcos  |  março 10, 2008 às 9:14 am

    Bah, Gabeira. Você está sendo muito radical. Precisa se despir de preconceitos e voltar a ser criança quando eras um fã de Luiz Caldas. Lembro-me que foi dele, o primeiro LP que vc comprou: Luiz Caldas – Magia. E o Marceleza se refere às dancinhas ridículas, quando nem todo axé (principalmente os antigos) são dancinhas.

    Responder
  • 11. Gabeira  |  março 10, 2008 às 3:02 pm

    Não são pré-conceitos, são pós-conceitos, hehehehe. Qto ao voltar a ser criança, não tenho muito afinidade com a idéia afinal, nesta época, além de ter um lp do Luiz Caldas, eu tb mijava e cagava nas fraldas. E Marceleza não se referia às dancinhas não, ele se referia ao “adestramento” geral que o axé sempre promoveu:

    “Ô ô ô, aqui em Salvador, a cidade do axé, a cidade do horror” (Marcelo Nova, 1980)

    Responder
  • 12. Marcos  |  março 10, 2008 às 5:21 pm

    uhauahuahauhauha. Gostei dessa sua analogia da infância. Mas os adestrados que se explodam: hoje eu detesto, mas sei apreciar algumas coisas realizadas no passado. Abraços

    Responder
  • 13. Karin  |  março 10, 2008 às 8:13 pm

    É por isso q “Dia dos namorados” é sucesso no Bond Canto!
    Gabeeeeeeeeeeeeira!!!!!!!!!
    hauhauhauhauhaahuahua…nao resisti…

    Responder
  • 14. KK  |  março 12, 2008 às 10:14 am

    GABEIRA FICOU EM COMA NA INFÂNCIA!

    Responder
  • 15. Marcos  |  março 12, 2008 às 2:29 pm

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Essa de Gabeira em coma foi ótima. E com este comentário, acabo de bater meu recorde de comentários num post, o que significa que todo post relacionado a axé terá uma referÊncia ao grande Gabeira.

    Responder
  • 16. gil  |  julho 31, 2008 às 10:13 pm

    Esse Gabeira com certeza é uma bicha que não teve infancia… dizer que o Axé dos anos 80 e 90 não marcou é um pecado… foi a melhor fase da minha vida… curti d+++++++++….. tenho só lembranças boas… eu era feliz e não sabia…..
    Chiclete
    Banda Reflexus
    Banda Mel
    Luis Caldas
    Banda Beijo
    Banda Cheiro de Amor
    Olodum
    Timbalada
    Cid Guerreiro
    Tonho Materia
    Zé Paulo
    Banda Eva
    Jerônimo
    Pimenta Nativa
    etc. etc. etc..
    é tudo de bom…………

    Responder
  • 17. gil  |  julho 31, 2008 às 10:18 pm

    Por favor quem tiver cd ou vinil de axé dos anos 80 e 90 por favor entre em contato comigo….

    Responder
  • 18. Gabeira  |  agosto 1, 2008 às 10:13 am

    Esse Gil é um exemplo claro de como o Axé o “ajudou” a expressar-se com inteligência. Afinal o raciocínio dele é bastante inteligente: “esse Gabeira não gosta do que eu gosto, só pode ser viado”. Grande raciocínio, hein cara?

    Essa estória de que os anos 80 foram uma maravilha é idiotice. Os anos 80 foram tão merda quanto os anos 90 e os tempo atuais, só que naquela época você não tinha que trabalhar, você era jovem, ou seja, sua vida era mais simples, mas o Brasil e o mundo eram a mesma merda de sempre.

    Pergunta a sua mamãezinha o que ela achava de uma inflação de 1000% ao ano? Pergunta se ela gostava de ter que estocar leite em casa, porque seu gagau podia faltar a qualquer momento, pergunta o que ela achou quando Collor de Melo sequestrou as cadernetas de poupança de todo mundo.

    Ah, e parabéns pela lista de “grandes artistas”, hein? São “tão relevantes” para arte que sumiram e ninguém sabe onde estão. Aquilo foi uma moda de Axé (assim como teve a moda do rock, a moda do sertanejo, a moda da lambada) e que os macaquinhos amestrados que nem vc foram atrás.

    E pra finalizar, acho q você não tem moral pra chamar ninguem de viado, porque, segundo suas proprias palavras, você é quem tinha uma afinidade em colocar uma garrafa no cú, né não?

    Responder
  • 19. ANA CAROLINA  |  agosto 26, 2008 às 4:39 pm

    ah eu queria ver uns axes mais antigos pq eu estou com um trabalho para fazer sobre axe !!!!!!!!! ate mais bjssssssssssssss

    Responder
  • 20. marcos  |  agosto 27, 2008 às 11:20 am

    Carol. Isso é fácil de se pesquisar na Internet. Valeu pela visita.

    Beijos

    Responder
  • 21. TONHO MATÉRIA  |  fevereiro 26, 2009 às 6:22 pm

    Só quero dizer que foram estas canções que deram existencia ao carnaval de hoje. Se não tivesse o bloco afro para produzir a maioria destas canções, não haveria puberdade na busca dos tempos de crianças, estas canções que foram compostas por compositores negros como Tonho Matéria, Itamar Tropicalia, Rei Zulu, Ademario, Edybinho, Tatau, Walmir de Brito, Gibi, Carlinhos Brown, Paulinho Camafeu e tantos outros, foram que inspirou Luiz Caldas e os demais artistas deste nosso cenario musical conhecido como axé (Força Vital) Music do afro americano. Para que Ivete, Chiclete, Asa podessem fazer sucesso no mundo. Então não podemos mais considerar a música da Bahia como AXÉ MUSIC porque já rompeu fronteiras no mund inteiro, a final das contas qual país não ouviu falar em OLODUM?

    Responder
  • 22. Marcos  |  fevereiro 27, 2009 às 9:29 am

    Caro Tonho

    É um prazer recebe-lo em nosso blog. Você que participou deste processo tem todo o conhecimento para comentar com autoridade. Na época em que as músicas afro explodiram nas rádios eu tinha apenas sete anos. Mas foram inesquecíveis para mim, sucessos como Faraó e tantos outros. Lembro da Banda Reflexus, que fazia o maior sucesso. O Olodum, nem se fala – após essa época, que correspondeu à minha infância, sua música se tornou ainda mais conhecida e continuou como trilha sonora também na minha adolescência. Lembro de Avisa Lá, Berimbau, Requebra, aquela com Paul Simon… Sem sombra de dúvida: a música baiana, e o que hoje é chamado de Axé, deve muito, e tem suas raízes na música afro.

    Um abraço

    Responder
  • 23. KK  |  fevereiro 27, 2009 às 10:31 am

    Velho… vcs ainda não entenderam que Gabeira tava em coma na infância?!

    Eu sou do samba-reggae. Pra mim axé-music é invenção de publicitário desocupado (sem internet).

    E apesar do meu lado pop rock ópera, eu me ACABO ao som de um tambor!

    Bjos

    Responder
  • 24. Rodrigo  |  fevereiro 27, 2009 às 1:05 pm

    Blz seu Marcão,
    Gostei da repercussão que o assunto gerou. Tenho quase certeze que todos nós, nascidos ao final dos anos 70, início dos 80, curtimos essa fase primordial da música baiana. Lembro que algumas delas tinham um apelo sexual que as deixavam divertidas de ouvir e dançar. Lembro até do ilustre Marcão dançando a dança do robô “movimente os dois pés, gire por favor…”. As músicas de hoje já não me empolgam tanto. Têm um apelo sexual subliminar e perigoso, e são essencialmente comerciais. Creio que já sejam compostas pensando-se nos prêmio do carnaval. É isso, muito bom esse tópico. Parabéns seu Marcão. E se vir um FIT dourado na rua, enquanto estiver com a camionete, lembre-se. Pode ser seu amigo Vacão.
    Abraços

    Responder
  • 25. Marcos  |  fevereiro 27, 2009 às 3:30 pm

    auhauhauaha. Boa análise do amigo Vacão. Não se preocupe como Fit, além de já estar enferrujado ainda tem 3 anos de garantia :)

    Responder
  • 26. Wanessa  |  março 1, 2009 às 10:19 am

    Nao tinha visto a réplica de Gabeira! Sensacional!

    Esse Gabeira “nao come reggae, mermao”!!

    Quanto ao samba-reggae, Olodum, percussao, tambor…adoro! :P

    Responder
  • 27. J NETO  |  maio 28, 2009 às 9:38 am

    VIVA A MUSICALIDADE BRASILEIRA

    Ainda bem que são poucos os que não entendem de música nesse blog, pois alguém dizer que o axé não representa nada para o Brasil, realmente não entende de música. representa e sempre irá representar. O axé dos anos 80 está na lembrança de todos, sem dúvida alguma, quem disser que não é um revoltado da vida. As bandas citadas la acima por GIL foram as melhores, sem dúvida, e dizer que TODAS acabaram é ridiculo, quem acha que aacabou vá ver o som único e perfeito do OLODUM nas ladeiras do pelourinho, batidas incomparaveis, que jamais um mortal pode ficar parado ao ouvir, pois entra nas veias e ferve no sangue, vá a um show do CHICLETE COM BANANA, inclusive, sobre esse último, tente comprar um abadá do camaleão no carnaval de Salvador, ou qualquer bloco de micaretas do Brasil afora … sinceramente é um comentário de quem não tem a musicalidade nas veias. Parabéns a todos esses artistas que contribuiram para esse ritmo alucinante e que ainda contribuem, seja com arranjos, letras, ritmos, sons. Parabéns aos artistas da Bahia, terra da alegria, da magia,dos mistérios, da regiolisidade, dos sons alucinantes e de pessoas de sorriso estampado em seu rosto.
    Parabéns aos BLOCOS AFRO que deles partiram tudo para se transformar no que é hoje. Parabéns a TONHO matéria, que tem letras inesqueciveis, que ficarão guardadas na memória de cada um de nós, por exemplo: ” … se teu beijo cair lá do céu, que caia por cima de mim, e todo molejo de mel, que caia por cima de mim, amor … se me chamar eu vou, ao som que furta cor., que furta emoção, me leva emoção, eu vou, eu vou…”

    João, um pernambucano.

    Responder
  • 28. cleber de souza  |  julho 3, 2009 às 7:49 pm

    tenho aqui na bahia -itabuna discografia de todos os cantores de axé dos anos 80., quem tiver interece é só mandar um email .

    Responder
    • 29. Dhyan  |  outubro 16, 2009 às 12:15 am

      Blz, se puder me add no msn, valeu

      Responder
      • 30. CLEBER DE SOUZA  |  novembro 4, 2009 às 3:31 pm

        VOU ADD, VALEU

    • 31. KK  |  outubro 27, 2009 às 9:55 am

      Cleber, bora socializar essas mp3 aí meu véio!

      Responder
      • 32. CLEBER DE SOUZA  |  novembro 4, 2009 às 3:30 pm

        BLZ , KK

    • 33. Nalton  |  dezembro 2, 2009 às 8:17 am

      Bom Dia Cleber,

      Por favor, manda por email a relação de tudo q vc tem de axé, gostaria muito de adquirir alguns.

      Muito Grato

      Responder
    • 34. Perseu - SP  |  dezembro 6, 2009 às 8:12 am

      Bom dia amigo Cleber. Eu tenho interesse sim em conseguir alguns classicos de axé dos anos 80.
      Vc vende os mp3? qualquer coisa me manda um e-mail flw!
      Grande Abraço.

      Responder
    • 35. Erlon  |  dezembro 8, 2009 às 9:44 pm

      Preciso saber o que você tem dos anos 80 pois tenho tambem alguns por favor me mande uma lista de cantores que você tem por favor

      Responder
    • 36. Humberto  |  fevereiro 9, 2010 às 6:57 pm

      Gosto muito de axé, principalmente os antigos.. gostaria de ter essas raridades… por favor se puder envie p mim.
      se puder add no msn (humbertoesp_15@hotmail.com)

      agradeço desde já!!

      Responder
    • 37. andre moreira  |  março 11, 2011 às 9:00 pm

      Cleber, tenho interesse sim, meu email é filipefernanda@yahoo.com.br.

      Responder
    • 38. Andre  |  maio 18, 2011 às 3:56 pm

      manda pra mim…

      Responder
    • 39. iran santos  |  fevereiro 3, 2012 às 11:29 pm

      beleza cara andava atras destas joias da bahia ai vai meu imail ( iransant@hotmail.com )

      Responder
  • 40. cleber de souza  |  julho 25, 2009 às 10:55 pm

    sou de itabuna tenho em cds varias bandas de axé dos anos de 83 a 90

    Responder
    • 41. Dhyan  |  outubro 16, 2009 às 12:14 am

      Pô cara blz, tenho muitos também se te interessar tamo as ordens.

      Responder
      • 42. CLEBER DE SOUZA  |  novembro 4, 2009 às 3:24 pm

        BLZ CARA, PASSE OS NOMES DAS BANDAS DE AXÉ QUE VOCE TEM, E O ANO DOS ALBUMS. OK ,VALEU

      • 43. Emerson Aquino  |  novembro 22, 2009 às 3:19 pm

        Diga meu velho, tudo certo com vc?

        Como faço p ter essa cultura musical da bahia ? compartilhe aí?
        mande um email.
        abração

      • 44. cleber  |  novembro 30, 2009 às 5:30 pm

        dhyn tenho enteresse como e que faz

    • 45. Nalton  |  dezembro 2, 2009 às 8:20 am

      Cleber, Meu email é ( naltondcastro@hotmail.com ), entre en contato comigo, isso vale também para queles que tem os disco antigos de axé.

      Obrigado…

      Responder
      • 46. cleber  |  fevereiro 21, 2010 às 11:47 pm

        nalton e cleber meu celular e 88167170 liga pra gente fazer essas copias, valeu

  • 47. cleber de souza  |  julho 25, 2009 às 11:06 pm

    ex. diiscografia. cheiro de amor, chiclete com banana, banda mel, luiz caldas, banda beijo, netinho,armandinho dodo e osmar,banda gente brasileira, ricardo chaves,banda tapajos,banda papaleguas,meninos do peló,banda pinote,missinho,margareth menezes, banda reflexus,zé paulo,banda frutos tropicais,gang cidade,, marcionilio, virgilio, jota morbeck,arakutu,olodum, timbalada,banda bah,banda ouriço,banda pike,carlinhos caldas,carlinhos axé, banda furta cor, e outras.

    Responder
    • 48. josue alves  |  outubro 15, 2009 às 1:02 am

      gostaria de comprar os vinil

      Responder
    • 49. Washington paiva  |  janeiro 20, 2012 às 2:53 pm

      pô cara você me fez recordar grande época da musica baiana.
      posta essas raridades no 4Shared pra gente baixar.

      Responder
  • 50. Edvania  |  setembro 6, 2009 às 12:20 am

    Fiquei feliz com todos os comentários. Estudei num colégio agrícola no final dos anos 80 ao início dos anos 90 e estamos montando um reencontro e iremos reviver com músicas dessa fase, pois fizeram parte das nossas festinhas. Ler esse blog me ajudou demais. Eu agradeço muito por todos os comentários positivos postados, foram maravilhosos.

    Responder
  • 51. Dhyan  |  outubro 16, 2009 às 12:12 am

    Gabeira deveria ser sinônimo de VIADO, como comparar axé com rock? vai ver q esse fulero anda ouvindo metallica, sepultura e fumando uns beck e imitando maradona e daí ouvi esse tipo de merda e acha q está entendendo. e pra completar quem tiver umas MP3 de AXÉZAÇO AÊ entre em ctt comigo q também tenho várias…

    Responder
  • 52. mateus  |  outubro 22, 2009 às 9:57 pm

    olá, gosteismuito do seu comentário, hoje assim como você relatou, escuto quase que somente Rock…enfim eu queria te fazer uma pergunta cara…vê se lembra dessa banda, eu só sei um trecho da música

    - Hei taxi
    Me leva pra ouvir
    Tambores nnanannann
    da banda me leva

    nanannnan
    espada de xango

    é mais ou menos assim, nao sei se era pimenta nativa
    Se algém souber me manda um email ou posta alguma coisa

    Valeu

    Mateus Salvador BA
    dokusay@bol.com.br

    Responder
    • 53. CLEBER DE SOUZA  |  novembro 4, 2009 às 3:17 pm

      O NOME DA MUSICA E TAXI. O CANTOR É MARCIONILLIO

      Responder
    • 54. Perseu - SP  |  dezembro 6, 2009 às 8:02 am

      Olá Amigos.
      Peço licença aos outros blogeiros, para tb me reportar…
      Achei a discussão maravilhosa e oportuna e vou deixar aqui tb a minha impressão: a música baiana dos anos 80 foi sim, de extrema importância para a criação de muita coisa boa que temos hoje. Grandes compositores como Tonho Matéria, Carlos Pitta e Carlinhos Brawn mostraram o valor do nosso estado (Hoje moro em São Paulo, mas sou baiano de coração e mente) como criador de tendências e ritimos e a nossa cultura foi dissipada pelo mundo.
      O grande problema é que santo de casa não faz milagre… Aprendemos desde pequenos a não valorizar o que é nosso. Valorizamos e cultuamos os lixos de gueto que vem de fora do país sob a forma de rap, hip-hop e demais enlatados made in USA.
      É uma pena, realmente…
      E para o amigo Mateus eu gostaria de completar que a música “Taxi” é de composição de Marcionillio e Carlinhos Brawn e a letra original é a seguinte:
      Hey, taxi, me leva pra ouvir
      Tambores terreiros daqui pra cantar me leva
      Pra ver o rosto de Yaô, espada de Xangô
      Louvores, mil santos daqui, pra cantar me leva.

      Me leva para purificação
      Me leva dentro dessa multidão
      Me leva para purificação
      Me leva dentro dessa multidão

      Pra cantar, me leva
      Pra cantar, me leva
      Pra dançar

      Hey, taxi, me leva pra ouvir
      Tambores terreiros daqui pra cantar me leva
      Pra ver o rosto de Yaô, espada de Xangô
      Os santos, igrejas daqui, pra cantar me leva

      Me leva para purificação
      Me leva dentro dessa multidão
      Me leva para purificação
      Me leva dentro dessa multidão

      Pra cantar, me leva
      Pra dançar, me leva
      Pra sonhar…
      Também gostaria de dizer que estou muito interessado na discografia dessa gente maravilhosa que foi responsável pela trilha sonora da nossa infância. Abraço a todos!

      Responder
      • 55. Perseu - SP  |  dezembro 6, 2009 às 8:06 am

        Ops! Desculpe, realmente a letra é de Brawn e Lui Muritiba. Ela foi interpretada por Marcionillio…

      • 56. Junior  |  fevereiro 19, 2011 às 11:31 pm

        Perseu valeu cara, adoro essa música e nunca consegui saber quem cantava, o nome e a letra. O AXÉ dos anos 80 e 90 foram de qualidade e os melhores, quem critica deve ter algum distúrbio, algo seriamente cristalizado em seu interior não resolvido, gente que acha que pensa e na verdade são retardados. Abraços e obrigado.

  • 57. Marcos Almeida  |  outubro 23, 2009 às 9:31 am

    Valeu Mateus!!

    Rapaz, não lembro dessa música não. Mas tem cara de ter sido clássica, eheheeheh.

    Responder
  • 58. Indy  |  outubro 23, 2009 às 11:16 am

    Mateus, o nome dessa musica é Taxi e é de Lui Muritiba, grande sucesso, ohhh saudade. Vide link abaixo com a letra completa

    http://vagalume.uol.com.ar/lui-muritiba/taxi.html

    Responder
  • 59. SUNDA...aquele mesmo!!!  |  outubro 26, 2009 às 9:38 pm

    ESSE TAL DE GABEIRA DEVE MORAR EM UMA CAPITAL, BEM GRANDE UMA METROPOLE, SEM QUERER GENERALIZAR, PESSOAS QUE MORARAM SEMPRE EM LUGARES ASSIM, SEM CITAR NOMES, GERALMENTE TEM ESSE COMPORTAMENTO., SÓ GOSTAM DE MUSICAS URBANAS, INTERNACIONAIS, SE FECHA, TORNAM-SE BAIRRISTA, E VIVEM EM MUNDINHOS FECHADOS.. CARA VAI VIAJAR! ESSE PAÍS É MUITO GRANDE. COM MUITAS CULTURAS, CREÇAS, CORES E SEM ESQUECER DA MUSICA. NÃO É PQ VC NÃO OUVIU AI NO SEU ESTADO, OU NO SEU BAIRRO, OU NA SUA RUA , QUE NÃO TEVE CERTA IMPORTANCIA PARA OUTRAS PESSOAS. ACORDA, O MUNDO NÃO GIRA EM TORNO DO SEU UMBIGO. EXISTE TANTOS RITMOS NO NOSSO BRASIL QUE É DE CAUSAR INVEJA. TEMOS O FORRÓ, BAIÃO, O XAXADO, O VANERÃO, O FREVO, O SAMBA, A BOSSA, O CONGO, A SERESTA O SERTANEJO, O AXÉ,, O CARIMBÓ, O MARACATÚ ETC. ENFIM CADA REGIÃO CADA ESTADO TEM SUA MUSICALIDADE, APRENDA A RESPEITAR. NÃO CURTIR DETERMINADO RITMO! BLZ! MAIS RIDICULARIZAR É FALTA DE RESPEITO, ATÉ COM VC MESMO, SE PELO MENOS CORRE UM POUCO DE SANGUE BRASILEIRO EM VC, OUTRA COISA, ESSE SEU CONCEITO DE MODISMO ESTÁ ERRADO.; O SERTANEJO TEM MAIS DE 50 ANOS, XITÃO ZINHO E CHORORÓ ESTÃO AI COM MAIS DE 30 ANOS DE CARREIRA, AGORA SURGIU O SERTA NEJO UNIVERSITÁRIO QUE É UM POUCO MAIS AGITADO DANDO UMA ROUPAGEM NOVA EM ALGUMAS REGRAVAÇÕES, E OS JOVENS ESTÃO OUVINDO E MUITO, JÁ NO AXÉ, A IVETE TODO ANO BATE RECORDES EM VENDAS, NESSE FINAL DE SEMANA O CHICLETE ESTAVA NO ALTAS HORAS, NO MEU ESTADO, QUE NÃO É A BAHIA, MORO NO SEDESTE, PERCO A CONTA DA QUANTIDADE DE MICARETAS QUE TEM POR ANO. ATÉ DO ROCK VC FALOU! CARA. O ROCK É ETERNO. NUNCA VAI PARAR DE TOCAR. O “IRA!” GRAVOU O ACUSTICO MTV É BOMBOU ERA UMA BANDA QUE ATÉ ENTÃO ERA VISTA COMO SUCESSO DOS ANOS 80, INFELIZMENTE POR CAUSA DE BRIGAS ACABOU, MAS TEMOS TITAS LANÇANDO CD/DVD, CAPITAL, FORA ESSA GAROTADA AI DO POP ROCK TEM UM MONTE AI QUE TOCA NA NOVELA MALHAÇÃO, EU NÃO CURTO MUITO, MAS É SUCESSO TOTAL NO MEIO DA GALERA JOVEM. E LEMBRANDO QUE SE VC TEVE UM TIPO DE INFANCIA, PESSOAS TIVERAM OUTRA, RESPEITE, EU NÃO SEI COMO FOI A SUA, MAS A MINHA FOI MUITO BOA, E A ADOLESCENCIA MELHOR AINDA, COM 16 ANOS EU JÁ ALUGAVA CASA EM UM CIDADE LITORANIA REUNIA UMA TURMA E PASSAVA O CARNAVAL COM DIREITO A TRIO ELETRICO, CHURRASCO TODOS OS DIAS, MULHERADA,, SOL PRAIA E FESTAS, DALI SAIRAM NAMORADAS, OU SÓ CURTIÇÃO MESMO, TROCAVA TELEFONES COM AS MENINAS E DEPOIS QUANDO TINHAM FESTAS NA CIDADES DELAS OU ESTADOS ELAS ME LIGAVAM E EU IA ATRAS, E ADIVINHA SÓ O QUE ROLAVA NA FESTAS NAS CIDADES DELAS?! AXÉ, DANCE, ROCK ETC. ACORDA PRA VIDA CARA!!!!!!!!!! OBS: OS MEUS PAIS PASSARAM APERTO SIM COM TANTOS PROBLEMAS QUE TINHAM E TEM NO NOSSO PAÍS, MAIS OS ANOS 80 E 90 PRA MIM FORAM RARAVILHOSOS. ME DESCULPA O PLANO COLOR E A INFLAÇÃO GALOPANTE MAIS EU CURTIR MUUUUUUITO. COMO EU FAREI O MAXIMO POSSIVÉL PARA QUANDO EU TIVER MEUS FILHOS OS ANOS QUE CORRESPONDEREM A INFANCIA E A ADOLECENCIA DELES SEJAM OS MELHORES QUE EU PUDER PROPORCIONAR INDEPENDENTE DO QUANTO EU ESTIVER RALANDO!!!! SE SEUS PAIS NÃO PUDERAM FAZER ISSO É TRISTE PRA VC MAIS NÃO DESCONTE NOS OUTROS!!!

    Responder
  • 60. Marcos Almeida  |  outubro 27, 2009 às 9:22 am

    Caro Sunda. Obrigado pelo comentário. Você defendeu muito bem o seu ponto de vista. Quanto ao Gabeira, informo que ele é sim de uma capital – Salvador mesmo. Vou encaminhar essa discussão para o caso dele ainda querer participar.

    Responder
  • 61. KK  |  outubro 27, 2009 às 9:55 am

    Oxente, Marquera, como é que vc não lembra de Taxi?

    Responder
  • 62. André Luiz Lacerda  |  novembro 7, 2009 às 3:22 pm

    A música axé de antigamente tinha originalidade, criatividade e até conteúdo social.

    Era por assim dizer, algo mais artesanal, uma expressão cultural mais espontânea condizente com o povo baiano decorrente de sua miscigenação, nitidamente nativa.

    Não há como desvincular o axé antigo do nosso povo, pois é uma musicalidade “roots”, que nasceu conosco. Por essa razão é que agrada a muito de nós e ficou indissociavelmente ligado no nosso gosto como sendo música de qualidade. Não dá pra dizer a um aborígene da Austrália ou um índio da Amazônia que suas músicas por serem constituídas eesencialmente de batuque são ruins principalmente porque provieram de sua essência cultural.

    Acho que Gabeira tá misturando o axé de hoje, que é essencialmente comercial e se desvirtuou de sua essência, e que que concordo que é um lixo cultural digno de repúdio composto de letras vazias desprovidas de qualquer conteúdo, e dancinhas esquizofrênicas e libidinosas, com o axé de ontem que marcava uma identidade cultural. Basta pegar um LP de axé antigo e um cd novo de Chiclete pra notar a nítida diferença.Os próprios artistas reconhecem que se venderam. Cabe ao povo fazer a filtragem e não engolir o que lhe é imposto goela abaixo, expurgando dos ouvidos o que é mediocridade. Mas infelizmente as músicas são feitas para as massas pobres que não tem educação e condições de identificar o que é porcaria do que não é. Apenas engole, aceita, compra e incetiva cada vez mais a proliferação dessas porcarias musicais.

    Gabeira, o cenário rock tambem não é o mesmo nem nacional, nem internacionalmente. Raramente se ouve uma banda de destaque de boa qualidade-frise-se boa- porque o que a gente acha que é bom, é o que repete o passado, bebendo em fontes como kiss, led zeppellin etc. No nacional nem se fala com essa ondinha emo e tecno brega que não dá pra distinguir uma música da outra.

    A indústria resolveu “descriativizar” a música pra vender, e tudo virou meramente um material descartável. Uma música de pagode ou axé que estoura num dia, na semana seguinte todos acham ultrapassada e já querem uma porcaria nova, o que é marca nítida da descartabilidade da música de hoje e è por isso que lembramos com saudades das músicas de axé que embalaram uma fase de nossas vidas, porque ficaram marcadas com nossa identidade cultural.

    Gabeira, cê tá forçando a barra pra se desvincular de algo que não pode porque tá ligado inevitavelmente às suas raízes. Não seja tão xiita e aceite a época aúrea de nossa manifestação cultural.

    Eu entendo que cê tá retado pelo rumo que o axé de hoje tomou, e é assim no rock e outros estilos, e até concordo, mas é reconhecendo que o axé de ontem era de qualidade indubitável , que a gente pode distinguir e o desvincular das merdas de hoje e reafirmar a nossa identidade cultural- principalmente pra esse povinho sacana e preconceituoso do sul que diz que tudo na Bahia não presta-da qual não podemos e não devemos nos apartar.

    Responder
  • 63. Emerson Aquino  |  novembro 22, 2009 às 3:37 pm

    moçada,
    sou da geração de 70 e 80, ainda acho que essa época saiu o axé de prima, mas temos que ter o cuidado de não sermos muito saudosistas, afinal de contas o mudo gira e coisa nova sempre aparece independente do gênero musical, e sei que a maioria é muito ruim mesmo, mas temos que ser mais democráticos.rsrsrs

    Responder
  • 64. Perseu - SP  |  dezembro 6, 2009 às 8:27 am

    Galera, algum de vcs poderia me dizer quem canta uma música que era assim:
    “Ó meu rei tupã, ó meu rei de fé, ó meu rei, ó meu pajé.
    Eu cheguei hoje de manhã, Nova York – Itapuã.

    Ó meu rei nagô, ó meu rei babá, ó meu rei meu patuá.
    Eu vim na asa de avião … itapuã.

    Limousine é cheiro de axé, show de rock and roll, toque de afoxé.
    É da mesma cor, é do mesmo sal, é de Salvador é do carnaval…

    Quem souber o cantor e o compositor me fala por favor, flwz!
    Abraços.

    Responder
    • 65. Valdemir  |  janeiro 14, 2011 às 2:32 pm

      Era uma banda baiana da década de 80, essa música fez sucesso em 86, 87 se não me engano, chamada limosine (ou limousine), a música é:” ó meu rei”. Se você conseguiu, me envia. Forte Abraço

      Responder
      • 66. Perseu-SP  |  maio 19, 2011 às 11:41 pm

        Falow Valdemir acho que é isso mesmo. Limousine inclusive tambem era o nome de um bloco de Salvador.
        Brigadão véio.
        Axé pra vc ; )

    • 67. Leandro  |  maio 24, 2011 às 11:54 am

      Fala Perseu, vc conseguiu baixar essa música da Banda Limousine? Um clássico, meus pais inclusive sairam nesse bloco.
      Se conseguir, me fala.
      Abraços.

      Responder
      • 68. daniel  |  maio 28, 2011 às 12:31 pm

        brother eu tenho essa música, ela tá uma coletânia de axé dos anos 80. eu to nesses site justamente pq qria mais informações e músicas sobre essa banda, mas n acho porra nenhuma. se quiser me dê seu email q eu te mando a música.

        abraço

      • 69. Leandro  |  junho 9, 2011 às 6:14 pm

        Valeu Daniel, meu e-mail é leo.vd@bol.com.br.
        Se puder me envie esse clássico do axé!
        abraço.

  • 70. jorge  |  dezembro 9, 2009 às 6:09 pm

    eu gostaria de lembra de uma musica baiana,e quem é cantor ? o começo dessa musica é assim .
    fix um barquinho de papel e joguei em auto mar dias e noite se paçaram e nada de voce volta.
    gaivota vai busca o meu amor que minha carta com o meu barco
    afundo.

    Responder
    • 71. fabricia  |  março 4, 2013 às 10:48 pm

      caro amigo jorge sou da terra grapiúna essa musica e do cd jupará vol . 01 quem canta e HOFFINHO & SPAGHETTI, amusica e – gaivota. valeu um abraço.

      Responder
  • 72. Bruno  |  janeiro 22, 2010 às 12:00 am

    Eu tô achando que alguém inventou este tal de Gabeira, só pra dar ibope. Não me arrisco a comentar. Isso é que é um bom marketing, pq não existe este tipo de gente no mundo mais não. Hoje tem como adquirir cultura, mais facilmente.
    hauahauau….kkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  • 73. Rose  |  fevereiro 14, 2010 às 8:19 am

    A música baiana de raiz é preciosa, o som do Olodum, da Timbalada, Ylê Ayê, Muzenza, os tambores da Bahia fazem qualquer pessoa viva mexer. É lindo demais os blocos afros, a energia que sai daquele cortejo é única. Eu não sou muito fã da música industrial da Bahia, mas respeito por ser um produto tipo exportação. Quanto ao Gabeira, acho que logo voltará a cagar e mijar nas fraldas, desta vez geriátricas. Kkkkkkkkkk…

    Responder
  • 74. Markera  |  fevereiro 14, 2010 às 9:57 am

    Bora Bahêa minha porra!!

    Responder
  • 75. Maradei  |  fevereiro 24, 2010 às 8:46 pm

    Olá pessoal, adorei ler estes posts e relembrar os bons tempos do carnaval da Bahia. Sou de Ilhéus e recordo a época em que a banda Mel, Cheiro, Reflexus, entre outras, iniciavam o carnaval às 10 hs da manhã com ´muito banho de carro pipa na pipoca e viravam a noite com muita música boa. Atualmente moro em SSa, curto o carnaval mas, sinceramente, fica difícil entrar num clima legal de alegria com os familiares,
    ouvindo “todo enfiado” ou “vou te comer” o tempo todo…rsrs
    E viva a musica baiana dos anos 70, 80 e 90..
    Ah, e o Gabeira com certeza esteve em coma durante a adolescência…rs

    Abraços a todos.

    Responder
  • 76. Erlon  |  novembro 30, 2010 às 6:17 pm

    Sou de Itabuna mas moro em são Paulo à 21 anos e gostaria que alguem me enviasse uma lista de cantores e bandas daquela época maravilhosa ficarei muito agradecido por esse favor obrigado

    Responder
  • 77. Manoel Bomfim  |  janeiro 13, 2011 às 8:06 am

    Ola pessoal, gostaria que alguem me enviasse as musicas ou letras da banda laranja mecanica. fico grato

    Responder
  • 79. mary  |  março 3, 2011 às 12:13 am

    Na verdade o Axé “explodiu” nos anos 80…ai surgiu o tchan e tantos outros… ai vai boca da garrafa, bundinha ai danou-se tudo e virou uma merda.
    Esse ritmo é forte e repetitivo, por isso logo enjoa.
    Não consigo gostar de Claúdia leite e Ivete, (aliás nem quando ela veio no museu do ipiranga/SP cantar com Andrea Bocelli que adooooooooooro)…
    Talvez uma que se salve e a Margareth… e só
    Estamos sempre a posto para novas fases da musica brasileira, afinal estamos aqui só de passagem..aliás já compradas so que sem data…rsrrssr

    Responder
    • 80. Marcos  |  março 3, 2011 às 9:38 am

      Gostei do comentrio! Concordo plenamente. Abraos

      Responder
  • 81. andre moreira  |  março 11, 2011 às 8:43 pm

    Pessoal, vcs não devem lembrar, mas o cheiro de amor tinha um cantor conhecido como GUGUI, que arrasava em cima do trio. Procuro musicas cantada por ele, mas não encontro. Cantava “Cometa Haley”como ninguém. Se alguém souber desse cantor, me escrevam, por favor.

    Responder
  • 82. andre moreira  |  março 11, 2011 às 9:02 pm

    Quem puder me passar musicas antigas do carnaval da Bahia, tenho interesse. Meu e-mail é filipefernanda@yahoo.com.br

    Responder
  • 83. ERIVALDO  |  julho 26, 2011 às 10:35 am

    eu so fanatico por axé das antigas quem poder mim ajudar eu agradeço .prque nós que gosta não podemos jamais deixar esquecer o axé dos anos 80 meu e-mail .eri.santos2008@hotmail.com mim mande mais axé dos anos 80

    Responder
  • 84. Washington paiva  |  janeiro 20, 2012 às 2:56 pm

    Você que tem essas relíquias da musica baiana dos anos 80 e 90,favor poste no 4Shared pra gente baixá-las.

    Responder
  • 85. CARLOS BRITO  |  março 23, 2012 às 4:34 pm

    Vcs ñ acham que estão dando muita importância p esse cara aí que eu nem lembro do nome e muito menos o que ele falou.Sou músico,tenho um gosto muito eclético e acho que gosto musical ñ se discute.Se você ñ toca nenhum instrumento e nunca compôs nada,cale sua boca!

    Responder
  • 86. fabricia  |  novembro 21, 2012 às 4:56 pm

    galera voltei e cleber de itabuna estive afastado por motivo de saude ,mas li os comentarios e estou ageitando as pastas dos cds de axé para por no 4shered para voces. desde entao agradeço pelos pedidos dos albums. um abracao para todos.

    Responder
  • 87. FERNANDO  |  dezembro 2, 2012 às 10:19 pm

    COMO AS PESSOAS TEM A CAPACIDADE DE CRITICAR UM RITIMO DE MUSICA.

    O maior erro é querer diminuir um ritmo de musica, pois a musica é uma arte independente de seu ritmo. A maior ignorância é da parte de quem critica. Pois não sabe ter a capacidade de respeitar a arte de um povo. Independentemente se é do agrado ou não. Temos que em primeiro lugar respeitar.

    Todos os ritmos possuem as musicas que são de uma qualidade maior, como possuem musicas que tem seus “problemas”.

    Seria mais fácil vim a respeitar, pois nenhum ritmo é perfeito.

    IMPORTANTE É A MUSICA. SEM ELA A VIDA NÃO TERIA GRAÇA.

    Responder
  • 88. fabricia  |  março 27, 2013 às 1:09 pm

    ola galera alguem ja ouviu uma musica de lambada com essa letra. eu te imagino assim bem coladinho a mim lambando uma lambada que nao tem mais fim. é uma lambada antiga ou lambaxé

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Agenda

março 2008
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Most Recent Posts


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: